Minha doce vida (às vezes amarga, às vezes azeda, mas quase sempre, doce!)


ai, que soninho gostoso!



Escrito por Claudia às 17h07
[   ] [ envie esta mensagem ]




Pedro Henrique e Luíza, a dupla dinâmica



Escrito por Claudia às 17h00
[   ] [ envie esta mensagem ]




Neste dia estava tão calor que minha mãe me deixou de pernas de fora - 13 de setembro



Escrito por Claudia às 16h54
[   ] [ envie esta mensagem ]




Pedro Henrique pronto para o seu primeiro passeio de domingo - 10 de setembro



Escrito por Claudia às 16h49
[   ] [ envie esta mensagem ]




Coisas que uma mãe consegue fazer com uma mão só

obs.: enquanto a outra está segurando o bebê no colo:

arrumar todos os utensílios do banho

dar um safanão na gata que teima em ficar em cima da cômoda do bebê

procurar a chupeta em meio aos lençóis

arrumar os travesseiros de madrugada, morrendo de sono, pra poder amamentar o bebê na cama

regar as plantas

ajudar a filha mais velha a fazer lição

colocar as roupas sujas no cesto e a fralda no lixo

passar um batonzinho antes de sair

fechar as janelas, fechar as cortinas e apagar a luz sem fazer barulho pro bebê dormir

etc, etc, etc

 

Coisas que uma mãe tem dificuldade em fazer com as duas mãos:

abotoar os 525 botõezinhos de pressão dos macacõezinhos e quando terminar, perceber que abotou errado e a roupinha ainda está aberta

trocar a fralda sem sujar os pezinhos do bebê de cocô

dar banho

limpar as orelhinhas

pingar remedinho na boca do bebê

e o pior de tudo, cortar as unhas do bebê!



Escrito por Claudia às 17h08
[   ] [ envie esta mensagem ]




Entrando nos eixos

Hoje, o Pedro Henrique completa 20 dias de vida. Entre o que emagreceu nos primeiros dias e o que engordou, está com 4 quilos e 52 cm, de acordo com o pediatra na consulta de ontem.

Já está dormindo muito melhor, na noite passada, por exemplo, dormiu das 0h às 6h, ou seja, já estamos conseguindo descansar bem mais. Por outro lado, está cada dia mais manhoso e sem vergonha, não quer fica no carrinho ou no berço, só no colo e em alguns momentos, não serve o colo da irmã ou do pai, só quer o meu. Ainda assim, estou conseguindo me organizar melhor. Já está mais fácil cuidar da casa, hoje consegui ir ao supermercado e já organizei tudo, separei as carnes, cozinhei e congelei legumes, feijão, soja, tudo pra tentar facilitar a vida. Fiz até um bolo de limão, que é um dos favoritos de todo mundo aqui em casa.

Falei tudo isso, só pra provar que todo mundo sobrevive a um bebê, nos primeiros dias é difícil, muita correria, tudo fora do lugar, mas depois, vamos nos acostumando com ele e ele com a gente, daí vai tudo entrando nos eixos.

Mas o mais interessante é que agora ele já parece nos reconhecer bem mais, fica com os olhinhos fixos nos pais e na irmã, vira o rostinho quando escuta uma voz conhecida e fica procurando a origem dos sons, se é colocado de barriga pra baixo, pressiona os joelhos na cama e fica tentando sair do lugar, enfim, uma graça, esperto e saudável.



Escrito por Claudia às 15h04
[   ] [ envie esta mensagem ]




Pra amamentar, não basta querer

Quando a Luíza nasceu, eu tinha me preparado bastante pra amamentá-la, fiz tudo o que os médicos e as revistas diziam, mas sofri um bocado nas primeiras semanas, ela até que queria mamar, mas meu leite empedrou, meus seios ficaram enormes, muito doloridos, sangravam, rachavam, despedaçavam. Passei pomadas e vitamina E, mas demorou tanto pra surtir efeito, que eu quase desisti. O momento da amamentação era um sufoco, eu chegava a chorar, mas como tinha leite, não deixei de dar o peito. Até que com o passar do tempo, tudo se normalizou e ela mamou até o sexto mês, quando voltei a trabalhar e o leite foi diminuindo até acabar, já que ela mamava menos vezes.

Com o Pedro Henrique, não me preprarei quase nada. Só no último mês da gravidez, passei a usar uma pomada, a Bepantol. Algumas horas após seu nascimento, o trouxeram pra mamar e apesar do parto ter sido cesárea, o leite desceu rapidinho e ele mamou na primeira tentativa e não parou mais. Continua mamando que só vendo, mama o dia inteiro, por sorte ele também dorme e por isso, me dá um descanso. Desta vez, não tive sangramentos, rachaduras, só algumas dores nos primeiros dias, que felizmente passaram rapidinho.

Ele é bem chorão e se está acordado, quer mamar. Não gosta que o coloquem no carrinho ou no berço e fica pouco tempo nos colos do pai e da irmã, logo, logo já começa a chorar, querendo o peito da mãe e mama tranquilo, muitas vezes, até dorme e eu tenho que dar uns cutucõezinhos pra ele se lembrar do que estava fazendo e depois de um tempão, cai novamente no sono, só assim para de mamar. Às vezes, depois de já estar com a barriguinha cheia, fica brincando com o bico do peito, como quem diz: "já estou satisfeito, mas não quero sair daqui não". Sei que ele ainda não me enxerga direito, mas fica um tempão olhando pra mim, reconhece meu cheiro e sabe que eu sou a pessoa que o mantém vivo, que o mantém alimentado e isso é maravilhoso!



Escrito por Claudia às 17h15
[   ] [ envie esta mensagem ]




Fotos

Não me esqueci de publicar as fotos do Pedro Henrique não! Tirei um monte, mas como meu computador é devagar, quase parando, não me deixa baixar as fotos. Vou dar um jeito e depois coloco tudo aqui.

Escrito por Claudia às 15h35
[   ] [ envie esta mensagem ]




Corujices II

Infelizmente tem me faltando tempo para ficar com a Luíza o quanto eu gostaria. Como ela vai à escola à tarde e o Pedro Henrique só dorme à tarde, acabo passando pouco tempo com ela e tenho sofrido por causa disso. Ela não tem reclamado, mas é claro, que não gosta muito disso não.

Mas o motivo do post é escrever sobre como ela está ficando cada vez mais bonita. Como é magrinha, qualquer roupa fica bem e com os cabelos castanho-avermelhados bem longos e a pele branquinha, é uma graça! E agora deu pra ficar vaidosa, quer fazer luzes no cabelo, está sempre querendo pintar as unhas (que eu só deixo usar curtas), enfim, está entrando naquela fase que todas nós conhecemos e meu marido, só fica observando de rabo de olho, meio enciumado e cantando baixinho: "ela só quer, só pensa em namorar". Ai, ai, ai!



Escrito por Claudia às 15h33
[   ] [ envie esta mensagem ]




Corujices

O Pedro Henrique é um bebê extremamente esperto. Quando eu o coloco na cama pra trocá-lo, ele fica bravo e já começa a se movimentar, firma as perninhas na cama e vai se movimentando, se virando pra todo lado, tenho que tomar o máximo cuidado. Dia desse, ele se virou no sofá da sala, eu o coloquei de barriga pra cima e ele foi se mexendo, se mexendo e de repente estava de bruços.

Minha mãe diz que as crianças de antigamente quase não se mexiam, demoravam mais pra abrir os olhos e eram muito sem graça. É a evolução da espécie! 

 



Escrito por Claudia às 15h27
[   ] [ envie esta mensagem ]




Como encher um biquini selvagem ou contagem regressiva rumo ao verão

Hoje, o Pedro me disse que está querendo ir ao clube, depois de um longo e tenebroso inverno, no próximo final de semana. Entrei em pânico e disse que não vou não! Estou ainda com seis quilos acima do peso de antes da gravidez, que já estava longe de ser o ideal, por isso, não posso nem pensar na possibilidade de vestir um biquini ou mesmo um maiô.

Desde que o Pedro Henrique nasceu, eu perdi sete quilos, o que não é grande coisa, afinal, já saí do hospital com cinco quilos a menos. E, pra ajudar, minha médica me disse que só posso fazer atividades físicas três meses após o parto, ou seja, ainda está longe, bem longe. E eu queria tanto fazer yoga, já tinha até arrumado um lugar legal pra fazer, mas ela não permitiu, disse que só posso fazer caminhadas e, mesmo assim, após um mês, mas se der, já começo na próxima segunda-feira. Saio com o Pedro Henrique no carrinho e vamos caminhar em uma pracinha que tem aqui bem pertinho. Preciso entrar em forma rapidinho, até porque já estou vendo tantas roupinhas legais pra comprar, mas só vou fazer isso, depois que emagrecer. 



Escrito por Claudia às 15h23
[   ] [ envie esta mensagem ]




aniversário

Há alguns minutinhos atrás, o Pedro Henrique acabou de completar 10 dias de vida. Já está mais fortinho e bochechudo e com os olhinhos mais atentos aos sons e às pessoas da casa. Está sempre mexendo as perninhas, tanto que vive abrindo os botões dos macacõezinhos pra ficar com as perninhas ao ar livre, daí já aproveita pra tirar as meinhas e ficar com os pezinhos frescos também.

Não gosta de trocar de roupas nem de fraldas, fica bravo. Mas fica bravo também quando está com as fraldas sujas, vai entender.... No banho, só fica quietinho, quando está de frente, dentro da água, mas de costas ou lavando os cabelinhos, dá um escândalo. E de tanto ficar no colo do pai e da irmã (que até brigam pra ver quem fica mais tempo com ele no colo) está ficando sem vergonha e não quer ficar no carrinho de jeito nenhum. É de bobo, esse bebê não têm nada!

  



Escrito por Claudia às 15h46
[   ] [ envie esta mensagem ]




Final feliz

Como já tinha colocado aqui em um dos meus últimos posts antes do nascimento do bebê, morria de medo de ter que fazer uma cesárea e era e continuo contra a decisão de fazer a cirurgia por pura comodidade, mas não poderia deixar de registrar aqui a minha experiência.

A chegada ao hospital, o apoio do maridão, as enfermeiras que estavam presentes o tempo todo ajudaram bastante a melhorar minha opinião, até a entrada na sala de cirurgia, onde minha médica já me aguardava, junto com o anestesista, enfermeiras e a pediatra, daí começou a fase mais punk. Me deram um monte de informações de como as coisas seriam, entre elas, que a anestesia me impediria de sentir dores, mas não de sentir tudo o que estava acontecendo. Por um lado, isso pode ser bom, mas de outro, é muito estranho, você perceber que estão cortando sua barriga e depois costurando tudo de volta, mas vá lá, o que é que eu podia fazer? Desistir?

O mais estranho de tudo foi o momento em que começaram a empurrar minha barriga pro bebê sair, achei aquilo surreal - quatro pessoas empurrando o bebê pra fora, enquanto a obstetra o puxava pra fora. Nesse momento, meu marido que até então, estava nervoso, mas sentadinho ao meu lado, não resistiu e se levantou pra ver o que estava acontecendo. Ele não me contou com detalhes o que viu, mas disse que se arrependeu de ter visto aquilo. Tiveram que aumentar o corte, porque o bebê era grande e não estava conseguindo sair. Até que finalmente, escutei o choro. E que choro. O Pedro Henrique tem pulmões muito bons, isso eu tenho que admitir e chorou por quase 30 minutos, segundo a pediatra e o marido, que neste momento, me abandonou e foi tirar fotos do bebê (tá bom, Pedro, eu o perdôo por essa, mas só porque as fotos ficaram boas!)

Depois de mais uma hora de costura, fui pra sala de recuperação e de lá pro quarto, ontem meu marido, minha filha e meus pais me aguardavam. Eu estava morrendo de fome e de sede, afinal estava em jejum há quase 24 horas. Ganhei orquídeas (minha flor favorita) e muito carinho de todos. Logo depois trouxeram o bebê, que eu ainda não tinha conseguido ver direito, só por alguns minutos, quando o colocaram no meu colo (está na foto lá embaixo).

Até aí, tudo bem, mas no meio da noite, com o fim da anestesia, comecei a sentir dores, fui medicada e quando acordei no dia seguinte com a enfermeira me dizendo que era hora de tomar banho, achei que seria uma boa idéia nunca mais tormar banho na vida. Os poucos metros que separavam a cama do banheiro pareciam uma distância intransponível, um horror, a enfermeira teve que me dar banho e eu não conseguia fazer nada, amamentar o bebê foi bem difícil, mas ao final, eu e ele tiramos de letra. Felizmente, no domingo, estava excelente, parecia outra pessoa, sem dores e me movimentando normalmente. Tive alta à tarde, depois que o bebê fez os testes do pezinho e da orelhinha e tomou vacina contra a hepatite.

Em casa, tinha mais orquídeas e sopa da minha mãe me esperando, o que não é nada mau.

Agora, posso dizer que foi muito melhor do que eu pensava, e como muitas meninas tinham me avisado. Só continuo achando que não se deve decidir pela cesárea e pronto! Ainda acho que o parto normal é muito melhor e continuaria lutando pelo parto normal se fosse necessário, mas a experiência me fez ver que não se pode ser tão radical, nem sempre o que queremos é possível. O importante é que tudo acabe bem e tenha um final feliz, como o meu. 



Escrito por Claudia às 15h08
[   ] [ envie esta mensagem ]




eu e a ala feminina da minha família



Escrito por Claudia às 20h38
[   ] [ envie esta mensagem ]




eu e meu pai



Escrito por Claudia às 20h34
[   ] [ envie esta mensagem ]


[ ver mensagens anteriores ]


 



Meu perfil
BRASIL, Sudeste, CAMPINAS, JARDIM LEONOR, Mulher, de 36 a 45 anos, Portuguese, English
Histórico
  24/09/2006 a 30/09/2006
  17/09/2006 a 23/09/2006
  10/09/2006 a 16/09/2006
  03/09/2006 a 09/09/2006
  27/08/2006 a 02/09/2006
  20/08/2006 a 26/08/2006
  13/08/2006 a 19/08/2006
  06/08/2006 a 12/08/2006
  30/07/2006 a 05/08/2006
  23/07/2006 a 29/07/2006
  16/07/2006 a 22/07/2006
  09/07/2006 a 15/07/2006
  02/07/2006 a 08/07/2006
  25/06/2006 a 01/07/2006
  18/06/2006 a 24/06/2006
  11/06/2006 a 17/06/2006
  04/06/2006 a 10/06/2006
  28/05/2006 a 03/06/2006
  21/05/2006 a 27/05/2006
  14/05/2006 a 20/05/2006
  07/05/2006 a 13/05/2006
  30/04/2006 a 06/05/2006
  23/04/2006 a 29/04/2006
  16/04/2006 a 22/04/2006
  09/04/2006 a 15/04/2006
  02/04/2006 a 08/04/2006
  26/03/2006 a 01/04/2006
  19/03/2006 a 25/03/2006
  12/03/2006 a 18/03/2006
  05/03/2006 a 11/03/2006
  26/02/2006 a 04/03/2006
  19/02/2006 a 25/02/2006
  12/02/2006 a 18/02/2006


Outros sites
  The Chatterbox
  Casa da Chris
  Chucrute com Salsicha
  Mothern
  Casa da Ju
  Beatriz e Isabella
  Beijos de Anjo
  Nosso Cotidiano
  Cousas e Causos
  Blog da Andressa
  Giovanna e Gustavo
  Blog da Dinha
  Blog da Pati
  Blog da Greice e da Mariana
  Blog do Theo
  Caqui Chocolate
  Cantinho da Chris
  Dani e Digo
  Príncipes: Caio e João
  Pai de Meninas
  Blog da Ísis
Votação
  Dê uma nota para meu blog